MARIA CÂNDIDA.

laureada
MARIA CÂNDIDA.
Play

Dinha é tão ativa, tão decidida; nem se move!


Dinha que é mulher disposta! É tão ativa, tão decidida, que nem se move. Seu nome: Maria Cândida, Candinha. Na dificuldade com as três sílabas, resumiu pra Dinha. Virou Tadinha, na boca de todos. Tadinha: tão paradinha.

Mocinha, não ia à rua para não precisar voltar. Não se levantava, para não carecer deitar na cama outra vez. Econômica!

Deu jeito de casar. Sempre que vai contar como foi a excepcionalidade da coisa, resume toda a história prum muxoxo autoexplicativo e pronto!  Só pode ter sido coisa de santo forte, dizem. O moço é trabalhador. Passa o dia na faina e retorna para a casa, que encontra absolutamente no estado em que a deixou. Apaixonado, contempla a esposinha na cama; silêncios para não a incomodar.

 Quando não está nem tão cansadinha, Dinha jaz no sofá, Tadinha. O marido se compadece, o coração derrete com dó. Os corres do dia deixam ela assim, ou assim. Ele organiza os cômodos, prepara um jantar. Leva até o leito, que Tadinha precisa repousar. Entrega a refeição de colher em colher, suavemente. A paga é aquele olhar límpido céu que a Dinha entrega, devotada.

Caso depois de se recolherem — cedo, que o dia é um algoz todos os dias — o maridinho resolve reclamar um chamego, uns quentes para encaminhar sono encovado; Dinha não nega. Põem-se de bruços, que é como ela imagina que melhor pode se entregar. O marido urge que urge, até feito pato cair de lado.

Soneia um pouco e desdorme em seguida, que a Tadinha da Dinha já pôs-se num resfolegar murmuroso. Tadinha, tão cansada dos esforços do dia, da despreendida entrega ao marido. Este, com os olhos a passear nos nozinhos da madeira do foro, espera a Dinha acomodar o sono. Tadinha!

Sem querer, que pensamento não tem rédeas, o marido imagina um dia em que a esposa se colocasse a mover, nos durantes. Fazer uns usos das mãos, dos pés, das bocas todas: nele. Ele ficaria estatuazinha de deleite. Não, seria uma exploração, Tadinha.

Sempre imaginei que a Dinha fosse muito repleta de carnes, de sebos. Nada, sequinha. É que só, apenas janta. Comida pouca, conduzida pelo dedicado esposo. 

Tadinha gosta de variar as posições, movimentar o corpo. Assim é que nem sempre está no leito. Tem o sofá, a cadeira de balanço, rede, tem a esteira. Dinha não se aperta.

Dinha, tu quer? Quero … ficar aqui mais um cadinho, quieta. Recuperar o fôlego que não me vem.

Tadinha, mulher disposta a tudo!

Créditos de áudio: Trabalhos técnicos de Elias Vergennes.

http://www.uel.br/uelfm/audios/32530-04_DE_FEVEREIRO_2021_-_MARIA_CANDIDA.mp3

O que achou do conteúdo?
Envie uma mensagem pelo formulário abaixo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin