QUE EU ME DEIXE MORRER EM PAZ.

Eu só queria morrer em Paz. Minhas questões pendentes: a morte que as carregue.

BALCÃO DE BAR.

A fim de enfrentar as dores do cotidiano, inventamos práticas que se tornam rotinas que nos escravizam. E a vida segue.

COM O CELULAR NAS PUPILAS.

A primeira coisa que ele viu na vida foi um celular apontado para a cara dele.

UM CARA MACHISTA

Já não é possível um homem saber o que fazer diante de uma linda mulher. Elogia ou corre?

ESCRITORES DE MENINOS.

A coisa mais perigosa que existe é quando um escritor narra a história de um menino.

PODEMOS SORRIR.

Muitos de nós, com ou sem máscara, somos da espécie Homo preconceituosus, que ainda sobrevive neste século XXI.

JARDIM SEM MUROS

Pensamos tanto só em nós mesmos que não sobra um tempinho para alegrar a vida dos que estão passando por nós, nem que seja só com um pequeno jardim.

PRECISAMOS DE TEMPO, PRA TER TEMPO.

Talvez seja melhor nem ter um tempo, se o utilizamos mal. Podemos dispensar algo que não nos favorece.

UM CÃO SUICIDA EM PLENO DOMINGO.

O tal do humano tem das suas. Algumas que não há cão que aguente.

A PALAVRA, ESTA AMIGA.

A curiosidade pode transformar o desconhecido em uma palavra amiga: uma companheira.

O HOMEM MAIS VELHO DO MUNDO.

Seu Josias não sabe ler papel, mas consegue ler a alma de um vivente.