UM NOVO FUTURO

O futuro é uma expectativa diferente para cada geração. Esperança, medo, o que for, mas sempre uma expectativa.

FEITO BICHO

Com a cultura e a civilização, as pessoas estão em constante busca de se distanciar da sua origem animal, mas algo resta por resolver nesta tentativa.

UM MÍNIMO DE DONA LAZINHA

É possível a ideia de que a finitude possa ser um aglomerado de boas coisas, ao invés de ser o fim de nossas vidas?

UM FULANO DEREPENTE

A ocupação de espaços sociais move as pessoas nas suas escolhas e formas de vida.

A ALQUIMIA DA COZINHA

O humano é um ser capaz de transformar a sua realidade e a realidade da natureza, conforme suas convicções e visões de mundo.

O EXÍLIO DA CAMISA CANARINHO

Estamos vivendo uma apropriação dos símbolos nacionais. Para usar a camisa da seleção, precisamos sair do País.

A MARRETA DO DOCE SANGUE.

Estamos sempre a caminho de algo inusitado, inclusive do fim. A forma como conduzimos este caminhar é que faz a diferença.

SEU JÚLIO, O BARBEIRO DO ONTEM.

SEU JÚLIO, O BARBEIRO DO ONTEM. Seu Júlio encontra motivação para os seus dias de aposentadoria e reflete sobre o sentido da vida, que ele foi aparando na profissão de barbeiro.

O ENREDADO DA GAROTINHA.

Nestes tempos de violência e barbárie, pessoas que tramam delicada e suavemente, podem ser as mais perigosas, pois nos envolvem desprevenidos.

De cabeça pra baixo

Diferentes fatos, a nível mundial apontam para um novo tempo, onde os fundamentos da civilização são questionados.

O Cotidiano: Janelas Fechadas

São abordadas as obrigações pessoais e familiares e seus modos de determinar as escolhas e o direcionamento da vida pessoal.

Brasileiros Yanomamis

Exposição e livro apresentam o universo dos Yanomamis aos napê (seres não Yanomamis).

O Cotidiano: Um Certo Capitão

UM CERTO CAPITÃO. A relação doméstica e social, com seus desajustes, sugere a violência contra si próprio e contra outros como forma de harmonizar os conflitos, sem contudo chegar a qualquer solução.

Show de Assassinatos.

O nosso amado Brasil, que sempre foi reconhecido pelo show do futebol, pelo show do carnaval, pelo show de alegria, agora passa ao show dos assassinatos.