UM NOVO FUTURO.

O futuro é uma expectativa diferente para cada geração. Esperança, medo, o que for, mas sempre uma expectativa.

POR UM PACOTE DE CEBOLAS.

Nasci assim mesmo, enquanto a mãe estava lá, a buscar o sabor pra polenta.

INDEPENDÊNCIA OU MORTE! OU AMBAS.

Uma Pátria necessita de cidadãos. E cidadãos escolhem as melhores lideranças. Não a menos pior.

UMA MARIA REZADEIRA.

Nesses “brasil” todos, sempre se pode encontrar alguém que parece fora do lugar, mas que está é bem nos seu lugar mesmo. É o caso da Maria, pintora e rezadeira.

DESFAZENDO O COTIDIANO.

Nessa atribulação por estar sempre fazendo algo, precisamos nos tornar profissionais do desfazer.

A ALQUIMIA DA COZINHA

O humano é um ser capaz de transformar a sua realidade e a realidade da natureza, conforme suas convicções e visões de mundo.

SOM AMBIENTE.

Podemos fechar os olhos, tapar as narinas, mas não somos donos do que ouvimos; queiramos ou não.

UM CERTO CAPITÃO.

A relação doméstica e social, com seus desajustes, sugere a violência contra si próprio e contra outros como forma de harmonizar os conflitos, sem contudo chegar a qualquer solução.

SOZINHO COM O CORPO, SÓ.

Descobri que não estamos assim tão juntos. Tão carne e ossos. Tão unha e dedo. Há algo irreconciliável entre mim e meu corpo.

SEGURANÇA ORGANIZADA.

Por vezes a bandidagem aproveita-se da ausência do Estado; ou junta-se a ele contra o cidadão.

PANDEMIA E PANDEMÔNIO.

Talvez todos já estejamos mortos. Só falta criar as condições para permitir o enterro.

ASSUNTO DA HORA.

Os que buscam a felicidade em futilidades, não chegarão a encontrar felicidade em coisas consistentes.

A LAMPARINA INSONE.

O silêncio cresce, se fortalece . . . Silêncio agourento. É a gestação de um mau momento. Uma notícia ruim virá com o fim do silêncio. Tempo e silêncio: estão acasalando-se contra mim.