OBITUÁRIO DOS SONHOS.

dreams
OBITUÁRIO DOS SONHOS.
Play

Nos braços da escassez de sonhos, jaz a poesia!


Montagem de Zuarte Júnior, exposta na Galeria ManOObra, Sobradinho, DF.

Alguém, um quase ninguém, resolve postar os óbitos diários no grupo das mídias sociais da cidade. Mas é displicente. O nome do finado, a idade e algum detalhe do velório que não haverá. Claro, tem exceção. Quando é um figurão do arrabalde, aí vem uns detalhes da vida do sujeito. Uns engrandecimentos.

Essas notícias e a curiosidade sobre cada um dos quase anônimos, levou minha cachola a rechear-se de uns pensamentos.

Será que alguém é mais importante pelo que fez ou pelos seus sonhos? Alguém que sonhou muito, embora não tenha sido um grande personagem, merece destaque. Aí já quero sugerir logo, vamos acrescentar à notícia do óbito, qual foi o grande sonho do finado, realizado ou que ficou a realizar. Talvez algum valente, ou um simples órfão de sonhos, adote esse objetivo; abrace a loucura do que partiu. Pois muitas vezes os sonhos são só devaneios tolos, e por isso mesmo, dignos de toda a reverência.

Tivéssemos mais sonhadores teríamos mais realizações, pois tudo nasce do sonho. Depois amadurece e torna-se realidade, ou não.

É essa escassez de sonhos, esse culto ao que foi feito, que nos põe perder toda a poesia.  

Áudio: trabalhos técnicos de Ricardo Lima, UEL FM.

http://www.uel.br/uelfm/audios/32832-07_DE_ABRIL_2021_-_OBTUARIO_DOS_SONHOS.mp3

O que achou do conteúdo?
Envie uma mensagem pelo formulário abaixo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin